Site Overlay

Ucrânia interrompe metade da produção mundial de neônio para chips

Os dois principais fornecedores de neônio da Ucrânia, que produzem cerca de metade do suprimento mundial do principal ingrediente para a fabricação de chips, interromperam suas operações por causa dos ataques russos, ameaçando aumentar os preços e agravar a escassez de semicondutores.

Cerca de 45% a 54% do neônio de grau semicondutor do mundo, essencial para os lasers usados ​​na fabricação de chips, vem de duas empresas ucranianas, Ingas e Cryoin, de acordo com cálculos da Reuters com base em números das empresas e da empresa de pesquisa de mercado Techcet. O consumo global de neônio para produção de chips atingiu cerca de 540 toneladas no ano passado, estima a Techcet.

Ambas as empresas fecharam suas operações, de acordo com representantes contatados pela Reuters.

“Se os estoques se esgotarem em abril e os fabricantes de chips não tiverem pedidos acertados em outras regiões do mundo, isso provavelmente significará mais restrições para a cadeia de suprimentos mais ampla e incapacidade de fabricar o produto final para muitos clientes importantes”, disse Angelo Zino, analista da CFRA.

Antes da invasão, a Ingas, com unidade na cidade sitiada de Mariupol, produzia de 15.000 a 20.000 metros cúbicos de neônio por mês para clientes em Taiwan, Coreia, China, Estados Unidos e Alemanha, com cerca de 75% indo para a indústria de chips, disse Nikolay Avdzhy, diretor comercial da empresa, em um e-mail para a Reuters.

A Cryoin, que produz cerca de 10.000 a 15.000 metros cúbicos de neônio por mês, e está localizada em Odessa, interrompeu as operações em 24 de fevereiro, quando os ataques começaram a manter os funcionários inseguros, de acordo com a diretora de desenvolvimento de negócios, Larissa Bondarenko.

O neônio ucraniano é um subproduto da fabricação de aço russa. O gás, que também é usado em cirurgia ocular a laser, também é produzido na China, mas os preços chineses estão subindo constantemente.

Bondarenko diz que os preços, já pressionados após a pandemia, subiram até 500% em relação a dezembro. De acordo com uma reportagem da mídia chinesa que citou o provedor de informações do mercado de commodities chinês biiinfo.com, o preço do gás neônio na China quadruplicou de 400 iuanes/metro cúbico em outubro do ano passado para mais de 1.600 iuanes/metro cúbico em final de fevereiro.

Veja também