Site Overlay

Rússia aprende a viver com golpes econômicos após choque inicial

A crise econômica da Rússia perdeu um pouco de sua força, dando mais tempo ao presidente Vladimir Putin em casa enquanto suas tropas realizam uma nova ofensiva em sua guerra contra a Ucrânia.

Mesmo com uma recessão se aproximando e inflação perto de 20%, a economia por enquanto desafia as previsões mais terríveis. Os economistas do JPMorgan veem sinais otimistas suficientes para reduzir pela metade sua previsão de contração do PIB russo no primeiro trimestre para 5%.

O cenário mais sombrio não se concretizou em grande parte porque a Rússia conteve a propagação do contágio financeiro com rígidos controles de capital, enquanto petrodólares em abundância ajudaram o rublo a recuperar as perdas e controlar a inflação. 

Previsão de PIB negativo

Mesmo assim, o pior ainda pode estar por vir: a Bloomberg Economics espera um declínio anual do PIB de quase 10% este ano.

Semanas após o choque inicial do colapso do rublo, os preços descontrolados e a partida de centenas de empresas estrangeiras, o que aguarda o consumidor pode ser um longo período de confusão.

“Nosso estilo de vida não mudou muito”, disse Olga, gerente de publicidade e mãe de dois filhos na cidade de Khabarovsk, no extremo leste do país.

Escassez de comida

O medo da escassez inicialmente levou a russa de 36 anos a estocar comida por um mês comprando grãos, carne enlatada e massas. Os preços de alguns produtos de limpeza triplicaram, então ela mudou para uma alternativa mais barata.

A família adiou os planos de comprar um segundo carro ou sair de férias este ano. Mas um novo normal se estabeleceu, e até agora é administrável, disse Olga, pedindo para ser identificada apenas pelo primeiro nome para falar abertamente sobre sua situação.

“Ainda não passou tempo suficiente”, disse ela. “Acho que sentiremos o impacto mais tarde.”

Queda do consumo

Em março, o primeiro mês completo desde a invasão, as vendas no varejo caíram cerca de 10% em relação ao ano anterior, de acordo com o Goldman Sachs, metade do declínio que a Rússia experimentou no auge da pandemia de coronavírus, quando os lockdowns fecharam muitas lojas e mantiveram os consumidores em casa.

À medida que as semanas passam, as evidências apontam para a resiliência das famílias. A empresa de pesquisa independente Levada Center disse que seu índice de expectativas sociais aumentou acentuadamente no mês passado em relação a fevereiro.

A censura e a propaganda intensificadas do governo durante a guerra estão fazendo sua parte. Ainda assim, os dados de inflação de curto prazo e as mudanças nas preferências de compras mostram como o sentimento está mudando.

Semanalmente, preços ao consumidor agora sobem a quase um quarto do seu ritmo um mês antes. O medo de prateleiras vazias está desaparecendo, pondo fim à estocagem doméstica e às compras de pânico.

Enquanto isso, os depósitos estão voltando para o sistema bancário, fornecendo ao banco central confiança suficiente para começar a reduzir as taxas de juros já após um aumento de emergência após a invasão.