Site Overlay

Acumulado da semana: Ibovespa sobe e dólar cai pela 3ª vez seguida

O principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, terminou praticamente estável nesta sexta-feira (27), à medida que ruídos políticos em torno da Petrobras (PETR3, PETR4) derrubaram as ações da estatal, o que limitou os efeitos locais de disparada em Wall Street, porém, registrou a 3ª semana de ganhos.

O dólar caiu pelo segundo pregão consecutivo e renovou a mínima de fechamento em cinco semanas, com os vendedores mais uma vez pegando carona na melhora do sentimento externo pela percepção de que os juros nos EUA não devem subir tão rapidamente quanto o temido.

Com isso, o dólar emendou a terceira semana consecutiva de baixa, mais longa série do tipo desde o começo de abril. O real teve no acumulado dos últimos cinco dias o melhor desempenho dentre alguns de seus principais pares emergentes.

No dia, o Ibovespa subiu 0,05%, aos 111.941 pontos, já na semana, o indicador teve alta de 3,18%. O dólar recuou 0,48%, negociado a R$ 4,7381, na semana, a moeda teve baixa de 2,77%.

Cenário do dia

Um dos dados no radar do mercado no dia foi a inflação nos Estados Unidos. O índice PCE de preços nos EUA subiu 0,2% em abril, segundo dados divulgados mais cedo, desaceleração na comparação com a alta de 0,9% em março. Tanto o indicador completo, quanto o chamado núcleo do PCE, que exclui os componentes voláteis de alimentos e energia, desaceleraram em 12 meses.

Os números, que para parte do mercado trouxeram sinais de pico da inflação norte-americana, ajudavam a impulsionar os principais índices em Wall Street.

Sinais de alívio da inflação nos EUA podem ser vistos pelo mercado como indícios de que os juros no país não precisarão subir com tanta força. Juros mais altos nos EUA tornam o país mais atrativo para investidores, o que tende a motivar um alta do dólar em relação a moedas como o real.

Também nesta sexta-feira, dados de gastos dos consumidores acima do esperado também davam suporte aos índices de ações, à medida que reduziam temores de uma desaceleração mais forte da economia dos EUA.

As despesas, que representam mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentaram 0,9% no mês passado, disse o Departamento de Comércio. Os dados de março foram revisados aumento de 1,4% ao invés de 1,1%.

Na cena local, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ampliou a vantagem sobre o presidente Jair Bolsonaro, mostrou pesquisa Datafolha de intenções de voto para presidente divulgada na véspera à noite.

Bolsas mundiais

Wall Street

imagem30-05-2022-11-05-40Operador na Bolsa de NY 19/05/2022. REUTERS/Andrew Kelly

Wall Street fechou em forte alta nesta sexta-feira.

No entanto, o S&P e o Nasdaq sofreram sete quedas semanais consecutivas, a mais longa série de quedas desde o fim da quebra das empresas pontocom, enquanto a sequência de oito semanas de desvalorização da Dow foi a mais longa desde 1932.

De acordo com dados preliminares, nesta sessão o S&P 500 ganhou 2,47%, para 4.158,49 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 3,32%, para 12.130,95 pontos. O Dow Jones subiu 1,76%, para 33.211,71 pontos.

Europa

As ações europeias marcaram sua melhor semana desde meados de março e encerraram esta sexta-feira em alta, após dados otimistas dos Estados Unidos e moderação nas apostas de aumentos agressivos dos juros elevarem o sentimento. O índice pan-europeu STOXX 600 subiu pela terceira sessão consecutiva e fechou em alta de 1,42%, a 443,93 pontos, o que levou seus ganhos semanais para 3%.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,27%, a 7.585,46 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 1,62%, a 14.462,19 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,64%, a 6.515,75 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,37%, a 24.636,26 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,50%, a 8.933,60 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,02%, a 6.240,72 pontos.

Ásia e Pacífico

As ações chinesas subiram nesta sexta-feira com investidores na expectativa por medidas de estímulo ao crescimento, enquanto declarações de uma autoridade norte-americana sobre a China foram interpretadas por alguns como positivas.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,66%, a 26.781 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 2,89%, a 20.697 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,23%, a 3.130 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,21%, a 4.001 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,98%, a 2.638 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 1,86%, a 16.266 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,67%, a 3.230 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 1,08%, a 7.182 pontos.

*Com informações da Reuters.

Veja também